fbpx
Curso Cripto 1.0
Cryptoconexión

O que é a Web 3?

Rodrigo explica por que a Web 3 causa tanto entusiasmo.
Web 3.0 CryptoConexion

Temos uma ótima notícia para você: estamos no início de uma nova e melhor era da internet.

O que é a Web 3?

  • A nova era da internet que se baseia nas capacidades de leitura, escrita e propriedade.
  • Alguns temas-chave da Web 3 são: resistência à censura, propriedade de dados, modelos de identificação digital e meios de pagamento disruptivos.
  • O desafio: educação sobre as características e implicações dessa nova era da internet. 

Para entender a Web 3, vamos explicar, dividindo em períodos, o que tem sido a internet ao longo da história.

O que é a Web 3?

Web 1.0: pode-se dizer que ocorreu entre os anos 1990 e 2004, quando Tim Berners-Lee desenvolveu protocolos abertos que permitiam compartilhar informações de qualquer lugar do mundo. Os sites da web eram estáticos e a interação com os usuários era praticamente nula, ou seja, o único serviço que costumavam oferecer era a leitura.

Web 2.0: começou em 2004, quando as plataformas de mídia social apareceram. Assim, evoluiu para um domínio de leitura e escrita.

Esse é a web que conhecemos hoje, na qual as empresas, em vez de apenas fornecer conteúdo aos usuários, começam a criar plataformas para compartilhar conteúdo gerado por pessoas e incentivar interações entre usuários. 

A Web 2.0 também deu origem ao modelo de lucro por publicidade, permitindo que até mesmo os usuários se beneficiassem com a criação de conteúdo.

Web 3.0: o conceito por trás dessa nova fase foi concebido pelo cofundador da Ethereum, Gavin Wood, após o lançamento desta rede em 2014. Seu objetivo é resolver o problema que muitas pessoas sentem ao adotar criptomoedas: a internet exigia muita confiança em terceiros. A web que as pessoas conhecem e usam hoje envolve confiar em muitas empresas privadas. 

A Web 3 tornou-se um termo genérico para a visão de uma internet nova e melhor. A ideia é usar blockchain, criptomoedas e NFTs para devolver o poder em forma de propriedade aos usuários.

Se a Web 1 consistia somente leitura, a Web 2, em leitura e escrita, a Web 3 é composta por leitura, escrita e propriedade.

O que é a Web 3?

Alguns princípios básicos do Web 3

  • Descentralizada, ou seja, em vez de grandes porções da internet controladas por entidades centralizadas, a propriedade é distribuída entre criadores e usuários.
  • Não exige permissão. Todos têm o mesmo acesso para entrar na Web 3 e ninguém é excluído.
  • Pagamentos nativos. Um recurso muito interessante, pois usa criptomoedas para gastar e enviar dinheiro on-line, em vez de depender da infraestrutura dos bancos e processadores de pagamento tradicionais.

Características

  • Propriedade: fornece propriedade direta de ativos digitais de uma maneira inédita. Por exemplo, ao adquirir um NFT que faz parte de um jogo, ninguém, nem mesmo os criadores do mesmo, tem o poder de tirar a propriedade de você. E se um dia você parar de jogar, poderá vender ou trocar seus itens do jogo em mercados abertos e recuperar seu valor.
  • Resistência à censura: seus dados ficam na blockchain. Quando uma pessoa decide abandonar uma plataforma, pode levar sua reputação consigo e conectá-la a outra interface que se alinhe mais aos seus valores. A Web 2 exige que os criadores de conteúdo confiem nas plataformas para não alterar as regras, mas a resistência à censura é um recurso nativo de um aplicativo da Web 3.
  • Identidade: muitas plataformas no Web 2, para criar uma conta, exigem que você confie nelas para gerenciar suas informações de identificação pessoal. A Web 3 resolve esses problemas, permitindo que você controle sua identidade digital com um endereço de carteira para fornecer um início de sessão único de todas as plataformas, que é seguro, resistente à censura e anônimo.
  • Pagamentos nativos: os pagamentos na Web 2 são baseados em bancos e processadores de pagamento tradicionais, o que exclui pessoas sem contas bancárias. A Web 3 usa tokens para enviar dinheiro diretamente no navegador e não requer terceiros.
O que é a Web 3?

Limitações da Web 3

Além dos benefícios da nova web, ainda existem diferentes limitações a serem corrigidas. O ecossistema dessa nova etapa precisará abordá-las para prosperar.

  • Acessibilidade: em países com menor desenvolvimento econômico, as transações são caras e nem todos podem arcar com os preços. Esses desafios são resolvidos por meio de atualizações de rede e soluções de dimensionamento de camada 2 ou L2, que consiste em criar uma solução sobre (por exemplo) a rede Ethereum; uma rede cara que agrupa várias transações liquidadas de uma só vez e não individualmente. Nesse sentido, a Arbitrum é a solução mais conhecida (e opera justamente a rede Ethereum).
  • Experiência do Usuário: do ponto de vista técnico, a barreira para os usuários ainda é muito alta. Os usuários devem entender os tópicos de segurança, entender a documentação técnica e aprender a navegar por interfaces de usuário desconhecidas até agora.
  • Educação: a Web 3 introduz novos paradigmas que exigem o aprendizado de modelos mentais diferentes dos usados hoje na Web 2.
  • Infraestrutura da Web 2: a evolução e criação da Web 3 está em seus primórdios, por outro lado, a infraestrutura da Web 2 ainda está de pé, funcionando e é utilizada na grande maioria dos sites da web. Isso certamente pode ser um desafio para a Web 3 e sua implementação em massa.

           Mas não é caso de assustar ou imaginar cenários complicados. A Web 3 não é difícil, mas é diferente. Em sua página oficial, o Ethereum tem artigos explicativos para que as pessoas possam entender essa nova etapa da internet. 

Web 2.0Web 3.0
O Twitter pode censurar qualquer tweet ou conta de qualquer pessoa.Tweets ou contas não podem ser bloqueadas porque seu controle é descentralizado.
Gateways ou serviços de pagamento podem recusar ou não permitir operações. Por exemplo: devido a restrições governamentais.Os aplicativos ou serviços de pagamento na Web 3 não exigem dados pessoais, nem podem ser rejeitados pelo fato do usuário morar em um país que aplique restrições econômicas.
Servidores centralizados podem cair e afetar usuários e clientes da plataforma.Os servidores da Web 3 não podem cair, pois usam a blockchain como uma rede descentralizada de milhares de computadores como servidor de seu dApp.

Um futuro descentralizado

Sabemos que a Web 3, ou 3.0, é um ecossistema jovem, em desenvolvimento e em evolução. De acordo com um artigo da AltCoinBuzz, Chris Dixon, sócio-diretor e fundador do setor de cripto da empresa do investidor Andreessen Horowitz«a Web 3 está entrando em sua era de ouro com novos talentos, infraestrutura sustentável e experiência coletiva que trará inovação e crescimento». Dixon e a empresa, que está investindo US$ 4,5 bilhões em um fundo cripto, estão totalmente confiantes no que está por vir: «acreditamos que as blockchains impulsionarão o próximo grande ciclo da informática»

No ano passado, houve o maior interesse em criptomoedas já visto, com soluções de dimensionamento da camada 2, experimentos massivos com novas formas de governança e revoluções na identidade digital. 

É claro que toda novidade pode gerar medo, desconfiança e até rejeição. No entanto, à medida que todos os conceitos Web 3, como os mencionados aqui, começarem a ganhar força, se tornar cotidianos e forem acompanhados por melhorias nas infraestruturas, começaremos a falar da nova internet; uma web que será brilhante e, acima de tudo, propriedade absoluta dos usuários e criadores, sem a necessidade de entidades centralizadas responsáveis pelo trafego de informações sensíveis e conteúdos pessoais.

Da nossa parte, aqui da CryptoConexión, continuaremos fazendo relatos sobre a Web 3 e seus avanços para capacitar você a participar da próxima fase da Web.

Más sobre:
CURSO

Cripto 1.0

Un curso para adentrarte a la nueva economía digital, aprende conceptos de criptoactivos, NFTs, blockchain, etc.

Tu opinión es importante.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Te puede interesar